• PT
  • EN
  • ES

NAB 2017 lança novo conceito na indústria

© Foto: Fernando Moura

O M.E.T. Effect mostrou que a convergência chegou e se instalou com workflows 4K e 8K, soluções IP, virtualização e distribuição de conteúdos. A seguir, a primeira parte da cobertura especial da Revista da SET em Las Vegas

por Fernando Moura, Francisco Machado Filho, Paulo Galante e Tainara Rebelo, em Las Vegas

MET Effect, o slogan da edição 2017, deixou claro o novo conceito da NAB baseado na convergência © Foto: Fernando Moura

O mercado audiovisual se encaminha para a convergência entre o Broadcast e o Broadband em um caminho que os principais players do mercado consideram inevitável. Como disse Henry Jenkins, em seu livro “Cultura da Convergência” esta “é mais do que apenas uma mudança tecnológica. A convergência altera a relação entre tecnologias existentes, indústrias, mercados, gêneros e públicos. A convergência altera a lógica pela qual a indústria midiática opera e pela qual os consumidores processam a notícia e o entretenimento (…). A convergência refere-se a um processo, não a um ponto final”.
A NAB 2017 mostrou isso, uma convergência cada vez mais clara onde a luta pela qualidade cada vez esta mais acirrada com workflows completos em 4K, e cada vez mais equipamentos em 8K, mas também com o IP, a virtualização e distribuição de conteúdos direcionados a sistemas integrados e compartilhados. A maior parte deles já não como uma tendência, mas sim como um caminho a ser trilhado.

Uma das principais características da NAB 2017 foi a imersão de conteúdos. No estande da Intel fila nos 4 dias de exposição para ver e ouvir conteúdos VR 360, com a imersão como principal destaque © Foto: Fernando Moura

Assim, acreditamos que a convergência de mídias é mais do que apenas uma mudança tecnológica, ela é um caminho que o consumidor de conteúdos está provocando na indústria audiovisual, e a NAB está percebendo isso. Antes, os broadcasters ditavam o que se consumia e em que tecnologia, a tecnologia era 1 para milhões – o principio básico do broadcast norte-americano – hoje é “N para N”, isto é, deixou de ser unidirecional. É bi/tri/quatri direcional, funciona desde ‘quase’ todos os pontos. O conteúdo continua sendo o “Rei”, mas ele chega desde diferentes Ns, ou seja, diferentes produtores/ consumidores de conteúdos.
A NAB continua sendo o principal ponto de encontro tecnológico para os broadcasters brasileiros. Em 2017, a delegação do país voltou a ser a segunda maior do evento, ultrapassando até mesmo a China, historicamente uma das mais populosas em eventos de tecnologia pelo mundo”, afirmou o vice-presidente executivo de Convenções e Operações Comerciais da NAB, Chris Brown, à reportagem da Revista da SET em Las Vegas (mais informações em entrevista exclusiva).

“Prontos ou não, já estamos vivendo numa cultura da convergência”

NABShow 2017 em números: Empresas participantes: 1.806 – Exposição: 1.091.792 m² –  Visitantes: 103.443 – Visitantes internacionais: 26.714 –  Países representados: 161 – Jornalistas: 1.518

A exposição apresentou 1.806 empresas que se distribuíram nos 1.091.792 metros quadrados de exposição nos quatro pavilhões do Las Vegas Convention Center, um dos maiores centros deste tipo do mundo. “Mais uma vez, a NAB foi o principal destino para criadores de conteúdo, produtores e distribuidores que procuram saber o caminho da evolução da mídia da mídia, do entretenimento e da tecnologia. Agradecemos aos nossos expositores, parceiros de programas, palestrantes e participantes por seu apoio ao fazer da NAB o evento ao qual todos os integrantes da indústria devem assistir”, disse o VP Executivo de Comunicações da NAB Dennis Wharton.
Nesta edição, foram 103.443 visitantes, quase mil a mais do que na edição 2016 que contou com 102.513. O espaço de exposição também aumentou, mostra de que as baixas dos primeiros anos da segunda década do século XXI ficaram para trás.
Em 2017, está claro que muita coisa se modificou na indústria audiovisual nos últimos dez anos. Passamos rapidamente do HD para o 3D; do 4K já se trabalha na transição para o 8K; mas a transformação que parece ser a mais importante é a mudança para as soluções IP virtuais, com players cada vez mais globais e que já não desenvolvem apenas hardware ou software, mas sim soluções integradas que de alguma forma funcionem como soluções Turn-key. Um exemplo disso foram as coletivas de imprensa da Panasonic e da Sony, além da SAM e de outras empresas, todas focadas em soluções integradas. A Panasonic, pela primeira vez, assumindo-se como uma empresa de entretenimento e mídia agora denominada: PMEC (Panasonic Media Entertainment Company) e a Sony anunciando a compra da Crispy introduzindo- se ainda mais no mercado do MAM e Delivery de conteúdos audiovisuais, a Ericsson falando de soluções virtualizadas entre outras empresas da indústria, a Vizrt indo para o mercado do jornalismo por streaming e a SAM desenvolvendo um workflow completo em IP/4K.