• PT
  • EN
  • ES

IBC Congress 2017: “Big Data é mais do que uma tecnologia” – Marcelo Souza (Globo)

Marcelo Souza, diretor de tecnologia de Mídia Digital da Globo, afirmou, na manhã deste sábado (16/09) no “IBC Conference: Truth, Trust &Transformation”, que o Big Data veio para ficar e que “é mais do que uma tecnologia”, é uma forma de trabalhar e pensar as empresas de radiodifusão na atualidade.

Para mídia, Souza acredita que a tecnologia pode ser usada para ter feedback e eficiência na produção e, para isso, é preciso “separar o joio do trigo”, tendo claro que será necessário escolher entre as muitas opções, por isso, a Globo tem trabalhado com um “mix de produtos e usado ferramentas de open source” com o objetivo de escolher o que pode ser experimentado. Ver onde e como fazer e depois escolher. “Primeiro vemos, depois testamos as funcionalidades para determinar quais se adaptam melhor a cada necessidade”, pontuou.

Falando de Big Data no jornalismo, Souza disse que este é um recurso em avaliação e está sendo usado para avaliar informações e tendências. Por este motivo, o grupo que comanda na Globo criou uma arquitetura de referência para obter dados em jornalismo que parte de um conceito de informação pública – utiliza informações públicas – que são introduzidas em uma plataforma de análise criada pela emissora que obtém informações em poucos segundos, já que pode analisar nesse período uma semana de informações. Souza disse que o workflow criado já processa uma mdédia de “250Gb de informação e pode oferecer informações, entre elas criar infográficos que representem o acontecido em uma semana no país”, e tudo em “7 segundos”.

Outra das utilidades apresentadas por Souza são as denominadas “recomendações de vídeo” utilizadas para oferecer conteúdos aos assinantes do Globo Play que são baseadas em NLP (Natural Language Processing).

Outros dos motores de análise têm sido os comentários nas redes sociais implementando o NLP para processar as informações e obter “os mais falados” e os “mais vistos” para determinar dessa forma “a relevância dos produtos e conteúdos da empresa”.

Entre as principais conclusões do paper apresentado no IBC Conference por Souza e desenvolvido em parceria com Joao Castellani, Daniel Monteiro e Carlos Octávio Quieroz (Globo), é que “analisar informações jornalísticas é uma atividade complexa”, mas se a questão é simples, o “Data Journalism” pode ser muito importante para o jornalismo moderno porque “podemos obter informações em poucos segundos”, informações “relevantes que podem ser utilizadas pela equipe jornalística da empresa”.

Para finalizar a apresentação, que foi escolhida como o melhor na categoria “Big Data”, Souza disse que “informação é poder”, por isso, este tipo de análise pode ajudar a democratizar as informações.

 

Por Fernando Moura*, em Amsterdã

 

  • Fernando Moura é professor do Curso de Jornalismo da Escola de Comunicação da Universidade Anhembi Morumbi, em São Paulo