• PT
  • EN

Globo automatiza operações em três capitais

Emissora expande suas operações com sistemas adicionais de automação Marina da Pebble Beach em São Paulo, Brasília e Recife migrando de sistemas de playout legados para um fluxo de trabalho 100% baseado em arquivos com maior agilidade de conteúdo entre regiões

 

Foto: Divulgação

Pebble Beach Systems anunciou que a Globo continua a migração de seus sistemas legados de automação de playout para o sistema Marina da Pebble Beach. Os sistemas Marina já instalados na sede da empresa no Rio de Janeiro geram a transmissão principal da Globo junto com Globo Internacional, e as novas instalações da Marina estão localizadas em São Paulo, Brasília e Recife.

Seguindo o modelo da infraestrutura do Rio de Janeiro, o sistema Marina em São Paulo fornece automação de playout de três servidores, com quatro canais de ingest e 12 canais de playout (quatro por transmissão). As instalações de São Paulo geram as transmissões do estado de São Paulo e da capital paulista, e atualmente está sendo configurada outra instalação em São Paulo para fornecer DR (recuperação de desastres) para as operações do Rio, Brasília e Recife com sincronização de mídia e playlist em tempo real. As operações de broadcast de Brasília e Recife fornecem um canal para suas respectivas regiões locais.

“Após a instalação bem-sucedida do sistema Marina no Rio no ano passado, decidimos continuar a migração dos sistemas de automação legados em nossos outros centros de transmissão. Nosso objetivo era integrar melhor nossos locais com um fluxo de trabalho comum para cada um. Isso nos dá maior agilidade com o intercâmbio de conteúdo e metadados, além de otimizar todos os nossos recursos”, disse Eduardo Ferreira, diretor de Tecnologia de Exibição e Distribuição da Globo.

A plataforma de automação Marina padronizada oferece uma integração poderosa em todos os centros regionais de playout da Globo, com atualizações online em tempo real dos sistemas corporativos da Globo. O sistema Marina aumenta a eficiência operacional com o intercâmbio automatizado de conteúdo e fortalece a preparação para recuperação de desastres. O novo fluxo de trabalho baseado em arquivos da Globo elimina todas as mídias físicas para a entrega de conteúdo, confirmação e playout, enquanto automatiza totalmente as transferências de mídia e a repetição em sites e dispositivos, de acordo com as regras comerciais da Globo.

Foto Marcelo Blum - Videodata

Marcelo Blum – Videodata

“A equipe da Globo avaliou vários critérios, incluindo a capacidade do sistema Marina para se integrar facilmente com a interface do sistema de planejamento de rede da Globo. Gerenciar o conteúdo em todo o processo, uma sólida integração com sistemas e mídia sem fita, redundância e resiliência completa, juntamente com um excelente desempenho foram os principais requisitos” comentou Marcelo Blum, gerente de sistemas da Videodata, integradora responsável pelo projeto.

Marina permite que os operadores assistam clipes de mídia de alta resolução para que possam visualizar, editar e aprovar o conteúdo diretamente na interface do usuário do Marina. Permite alterações rápidas e confiáveis na playlist e torna a transmissão de notícias de última hora rápida e fácil. Temporizadores abrangentes facilitam ajustes contínuos de cronograma para cumprir as decisões estratégicas. A Globo também utiliza o Lighthouse, uma interface de cliente web do sistema Marina, para fácil monitoramento de status e controle remoto de playlist.

Além de instalar o Marina da Pebble Beach System, a Videodata também integrou o Vantage da Telestream e o VM-600 da Dolby como parte da solução completa da Globo.

Por Fernando Moura, em São Paulo