• PT
  • EN

SET Sudeste 2018: Produtoras, TVs, OTT’s e operadoras analisam desafios do mercado

Com uma indústria em convergência a junção dos setores parece ser fundamental, nesse marco, associações do setor refletem o futuro do audiovisual, no Rio de Janeiro

A presidente da SET, Liliana Nakonechnyj, lembrou que há 30 anos televisão e cinema estavam em áreas estanques

Ao abrir o painel “Barreiras, Desafios e Oportunidades das Produtoras, TVs Abertas, TVs por Assinatura, operadoras de Telecom, e OTTs”, no SET Sudeste 2018, nesta quinta-feira, 10 de maio, a presidente da SET, Liliana Nakonechnyj, lembrou que 30 anos atrás televisão e cinema, por exemplo, estavam em áreas estanques e que a digitalização do mundo contemporâneo mudou essa perspectiva.

“Estamos passando por uma revolução de hábitos e de tecnologia. Quando a SET foi fundada, 30 anos atrás, só tínhamos televisão aberta. Cada questão do audiovisual, cinema, televisão, era completamente separada. A digitalização permitiu uma cadeia em que os vários players têm muita convergência e estão trabalhando juntos nesse setor”, afirmou a presidente da SET.

Cristiano Lobato Flores, diretor geral da ABERT (Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão), lembrou na Bolsa de Valores da capital fluminense, que o mercado de mídia tradicional tem dois lados, o público e os anunciantes, mas que Google, Facebook, Twitter, Facebook e outros impõem novos desafios na busca da publicidade.

“Dentro desse novo universo, a radiodifusão vem fazendo a digitalização do acesso, que traz melhor experiência audiovisual ao espectador. Mais que isso, a digitalização do sinal de televisão ajudou a alavancar a audiência por conta da migração do sinal”, disse Flores, lembrando que os dispositivos móveis também ajudam na difusão do conteúdo e que a audiência acaba atraindo mais publicidade.

O presidente executivo da ABTA (Associação Brasileira de Televisão por Assinatura), Oscar Vicente Simões de Oliveira, afirmou que o mundo está se estruturando em plataformas globais e há cada vez menos acordos de licenciamento de conteúdo. “Na ponta das OTT’s, a necessidade de investimentos e de conteúdo próprio passa a ser dramática”, comentou o presidente da ABTA, citando o exemplo da Disney, que retirou conteúdos que estavam em exibição na Netflix.

Alexandre Britto, presidente da ABOTT’s, que tem como objetivo
apoiar empresas brasileiras de OTT’s em suas multiplicidades tecnológicas e funcionais, pontuou a incerteza regulatória e tributária como um dos desafios do setor, mas assegurou que há muitas oportunidades de negócios nos novos mercados.

A carga tributária, que chega a 44% da receita líquida nas telecomunicações, também foi apontada como preocupação pelo diretor regulatório do SindiTelebrasil (Sindicato Nacional das Empresas de Telefonia e de Serviços Móvel Celular e Pessoal), Ildeu Borges. Ele acrescentou que a crescente demanda por dados tem como consequência a necessidade de investimentos em rede.

Com o tema da produção independente no mercado global, o presidente executivo da Bravi (Brasil Audiovisual Independente), Mauro Garcia, afirmou que, com a difusão de conteúdo em plataformas digitais, o eixo de preocupação mudou. “O pensamento, que era sobre o mercado nacional, interno, agora é global. Vindo para as novas plataformas, o desafio passa a ser a qualificação, a competência e a competitividade maior que a obra brasileira precisa ter na distribuição global, em relação ao conteúdo de outros países”, esclareceu o presidente da Bravi.

A produção e o consumo de conteúdos audiovisuais foram algumas das questões levantadas pela superintendente de Análise de Mercado da Ancine (Agência Nacional do Cinema), Luana Rufino. Segundo a economista, no passado havia uma discussão sobre o possível fim do cinema a partir da exibição de conteúdo em novas janelas. “Hoje, sabemos que a experiência do audiovisual é única em cada janela. Nosso maior desafio é chegar às novas gerações e também pensar em como fazer a regulamentação desse novo mercado”, afirmou a palestrante.

Para assistir ao SET Sudeste 2018, não é necessário realizar inscrição prévia no evento. Basta acessar o link: https://www.youtube.com/user/SETengenhariaTV

SERVIÇO:

Local: Centro de Convenções da Bolsa de Valores do Rio de Janeiro. Praça XV de Novembro, 20, térreo, centro. Rio de Janeiro/RJ

Data: 10 e 11 de Maio

Horário: 8h às 19h

Por Eduardo Miranda (Rio de Janeiro), e Fernando Moura (São Paulo)