• PT
  • EN
  • ES

Grupo de Estudos SET – IBB

SET Tecnologia

Prezados Associados e Colaboradores – SET Apresentamos uma coletânea de textos importantes para os profissionais do mercado de tecnologia de broadcasting. Pretendemos que atendam tanto as questões atuais quanto históricas. Também divulgaremos as contribuições da SET em grupos de trabalho e junto a órgãos governamentais.

2013

A SET instituiu mais um Grupo de Trabalho, denominado Grupo de Estudos SET – IBB
Responsável pela organização e Coordenação: Aguinaldo Boquimpani – Aguinaldo.boquimpani@set.org.br


Grupo de Estudos SET – IBB

Introdução

Focando no futuro da Radiodifusão, a SET anuncia a formação de um Grupo de Estudos para debater e detalhar as características dos sistemas integrados broadcast-broadband (IBB), também conhecidos como híbridos broadcast-broadband. Estes sistemas promovem ambientes nos quais a radiodifusão opera em paralelo com os sistemas de telecomunicações de banda larga para proporcionar uma experiência integrada de transmissão e interatividade através da combinação de conteúdo de mídia, dados e aplicações vindos de múltiplas fontes.

Propósitos principais

• Disseminar e aprofundar o conhecimento atual sobre o tema a partir do aparecimento e adoção de padrões de ambientes integrados broadcast-broadband em várias partes do mundo;

• Detalhar um comparativo determinando as principais características e vantagens de ambientes atualmente existentes e as alternativas tecnológicas e mercadológicas recomendadas por estes padrões;

• Fomentar o debate sobre as respostas dadas pelas propostas atuais ao apelo fundamental de integração entre Internet e Radiodifusão;

• Criar uma lista de requerimentos que materialize o melhor consenso possível entre os associados do que seria a solução ideal para um ambiente integrado broadcast-broadband adaptado à realidade brasileira;

• Compor um relatório final de recomendações para serem levadas aos associados e a outros organismos brasileiros interessados no tema.

Divulgação e Início dos Trabalhos

Reconhecendo a rápida evolução de diferentes propostas e padrões IBB no mercado mundial e a necessidade de criar uma base de conhecimento consensual para a nossa realidade, convidamos todos os associados da SET a fazer parte deste Grupo de Estudos que deve iniciar suas reuniões de trabalho em Agosto deste ano. Os interessados devem entrar em contato com a SET.

Grupo de Estudos IBB – Sumário Técnico

Um sistema integrado broadcast-broadband (IBB), também conhecido como híbrido broadcast-broadband, é um sistema em que a radiodifusão opera em paralelo com os sistemas de telecomunicações de banda larga e proporciona uma experiência integrada de transmissão e interatividade através da combinação de conteúdo de mídia, dados e aplicações de múltiplas fontes.

A SET apresenta uma proposta de Grupo de Estudos que visa a criação de:

1
. Um conjunto de definições fundamentais para determinação de consenso sobre os conceitos principais do ambiente integrado broadcast – broadband;
2. Uma descrição do escopo do ambiente integrado broadcast – broadband;
3. Uma lista compreensiva de premissas e recomendações básicas para um ambiente integrado de distribuição e execução de conteúdo interativo broadcast – broadband;
4. Um estudo comparativo determinando as principais características de ambientes atualmente existentes que sejam aderentes à lista de definições adotada;
5. Uma avaliação do estado de evolução e adoção dos padrões atuais de ambientes integrados broadcast-broadband;
6. Um relatório final de recomendações do Grupo de Estudos para serem levadas aos associados e a outros organismos brasileiros interessados no tema. ¹

Como este ecossistema evolui e rapidamente incorpora novos participantes, um efetivo caminho para a padronização sobre a forma como os sistemas devem ser concebidos e implementados facilitará essa evolução.
Exemplos atuais destes sistemas são o HbbTV da ETSI, o YouView da Inglaterra (DTG) e o Hybridcast da NHK do Open IPTV Fórum Japão.
A UIT, União Internacional de Telecomunicações também está trabalhando na criação de padrões IBB e já publicou os primeiros padrões endereçando ambientes IBB através de suas recomendações J.205 e J.206. ²
Já se reconhece que a padronização de um ambiente deste tipo ajudaria a diversos segmentos de mercado a satisfazer seus interesses:

• Emissoras de TV Digital podem melhorar seus serviços, adicionando conteúdo não-linear, on-demand, para as suas ofertas e, ao mesmo tempo aproveitando ao máximo o canal de banda larga para entrega de conteúdo, otimizando o uso da banda e do espectro com um fluxo de transporte otimizado.
• Fabricantes seriam capazes de fornecer dispositivos habilitados com TV conectada já integrados a aplicações “off-the-shelf”. Estes dispositivos podem ser personalizados pelo usuário final através da instalação de aplicativos adicionais.
• Provedores de serviço e de software poderiam usar um novo canal para oferecer seus serviços.

O uso de uma plataforma padronizada simplifica e reduz o esforço de desenvolvimento de conteúdo interativo e aplicações e cria condições para que os fabricantes e emissoras possam ganhar penetração e economizar custo com a interoperabilidade.
O objetivo de desenvolver as possibilidades da cooperação e integração entre diferentes sistemas de transmissão (como a radiodifusão) e sistemas de redes de acesso a informações (como a Internet) é um dos fundamentos acordados no Memorando de Entendimentos do consórcio FoBTV (Future of Broadcast TV). ³
A partir da criação de uma base de conhecimentos sobre o tema, este Grupo de Estudos visa como resultado final a composição de um conjunto de princípios orientados ao ponto de vista da radiodifusão para que sirvam de recomendações a criação de futuros sistemas e padrões para ambientes integrados broadcast-broadband.

Notas

1. Como foi feito na Europa pela EBU (European Broadcasting Union):
http://www3.ebu.ch/cms/en/sites/ebu/home/knowledge/technology-and-innovation/workplan.html ehttp://www3.ebu.ch/files/live/sites/ebu/files/Knowledge/Publication%20Library/EBU-Viewpoint-Hybrid_EN.pdf
2. https://www.itu.int/rec/T-REC-J.205/en e http://www.itu.int/rec/T-REC-J.206/en
3. http://www.nercdtv.org/fobtv2012/download/FoBTV%20MOU.pdf