• PT
  • EN
  • ES

O 4K e as perspectivas sobre a migração para o IP na indústria audiovisual

NAB 2016 – Parte II

ed160_pag12_1

Em mais uma edição, a NAB serviu para os principais players do mercado exporem os seus novos produtos, indicarem tendências e, como tem sido frequente nos últimos anos, anunciarem fusões e aquisições importantes, delineando um mercado em profunda transformação – não só em termos tecnológicos, mas, também, em termos de organização e processos

por Fernando Moura, em Las Vegas

A cada ano, parece ficar mais claro que o futuro passa por tecnologias transparentes e já não proprietárias que permitam aos radiodifusores utilizarem produtos de diferentes marcas para criar seu próprio workflow, sem ficar “atrelado” a uma marca ou a uma tecnologia. Por outro lado, com as aquisições e as fusões re-correntes, os principais players do audiovisual cada vez detêm maior portfólio de produtos e soluções. A tendência, neste cenário, parece ser as empresas oferecerem soluções combinadas.

Os drones ganham, a cada ano, mais espaço na NAB; em 2016, encontramos equipamentos de todo tipo, desde modelos pequenos até este da Livestream, preparado para suportar uma câmera de mais de 500 gramas

Os drones ganham, a cada ano, mais espaço na NAB; em 2016, encontramos equipamentos de todo tipo, desde modelos pequenos até este da Livestream, preparado para suportar uma câmera de mais de 500 gramas

Nesta segunda parte da cobertura especial da Revista da SET na NAB Show, mostramos o pavilhão brasileiro e alguns dos principais players do mercado audiovisual, com destaque para as tecnologias de produção e playout em 4K, com ecossistemas de vídeo 4K e workflows completos para essa tecnologia, baseados, muitas vezes, em sistemas virtualizados e por IP.
A Snell Advanced Media (SAM) apresentou aos broadcasters a sua linha de soluções em playout e produções de vídeo ao vivo, em 4K, na NAB 2016. Os visitantes do estande da companhia inglesa puderam conhecer workflows que devem capacitar a mudança das emissoras para as transmissões e a produção em Ultra-HD e em HDR.
“Queremos permitir aos nossos clientes suportar os fluxos de trabalho existentes, enquanto se expandem para os novos formatos, oferecendo uma programação de alta qualidade e competindo com sucesso nesta paisagem voltada ao consumidor”, afirmou Tim Thorsteinson, CEO da SAM, em coletiva de imprensa realizada na NAB.

O LiveU Maverick, os transmissores de uplink 3G / 4G / LTE, e também o SNG, tornaram-se uma importante ferramenta de uma emissora

O LiveU Maverick, os transmissores de uplink  3G /4G /LTE, e também o SNG, tornaram-se uma importante ferramenta de uma emissora

De forma descontraída, como é costume, o executivo da SAM afirmou que as necessidades dos consumidores estão mudando frente às novas tecnologias. “Estamos trabalhando para satisfazer as necessidades do mercado, visando o 4K, porque é uma área que está crescendo, e nos próximos anos vai crescer muito mais. O importante é estar preparado para esse momento. De todas as maneiras, penso que os próximos 20 anos mudarão o mercado audiovisual mundial”.Em seu estande, a SAM apresentou inovações em playout e novos fluxos de trabalho 4K e HDR, resultados de uma parceria com a Timeline, que possibilitou à BT Sport ser pioneira nas transmissões 4K/UHD no Reino Unido. O trabalho para a Rogers Media, com workflows ao vivo end-to-end na transmissão das principais competições canadenses, e o trabalho com a Media Pro, na Espanha, para a transmissão do jogo de futebol entre Barcelona e Real Madrid em 4K, também são frutos desse trabalho com a Timeline, como referido na edição anterior (nº 159).

Adobe anunciou que sua plataforma Adobe Premier, passou a estar integrada na plataforma Media Central da Avid

Adobe anunciou que sua plataforma Adobe Premier, passou a estar integrada na plataforma Media Central da Avid

Outro destaque da companhia na NAB foi o News Solution, que promete aos usuários “criar os mais rápidos news packages de todos os tempos” e publicá-los em qualquer plataforma, desde notícias de última hora, em mídias sociais, até produções cuidadosamente pensadas, via broadcast, afirmou à Revista da SET, Felipe Andrade, diretor Regional da SAM.

A Deluxe – como muitas outras empresas – apostou em demonstrar plataformas para workflows completos em IP, que possam ser utilizados em plataformas OTT ou VOD com conteúdos 4K

A Deluxe – como muitas outras empresas – apostou em demonstrar plataformas para workflows completos em IP, que possam ser utilizados em plataformas OTT ou VOD com conteúdos 4K

A nova interface News Solution uni-fica a aplicação, independentemente de o usuário estar editando em um dispositivo móvel, em desktops simples, ou utilizando um pacote completo de efeitos de pós-produção.
A ferramenta inclui um plug-in para Adobe Premier com a capacidade de pesquisar todos os clipes no sistema, editar com o conjunto completo de recursos da Adobe e, em seguida, entregá-los de volta para as plataformas on-line e broadcast. Para playout, a solução pode ser hospedada dentro do NRCS e é compatível com todos esses sistemas, incluindo iNews, Polvo, ENPS e Open Media.
A produção remota é crucial, segundo os executivos da SAM. Por isso, a nova timeline de edição do News Solution oferece aos usuários – em desktops, tablets ou notebooks – acesso a conteúdos gerados ao vivo ou a conteúdos gravados para elaborarem as suas histórias, agora com capacidade de voiceover e de edição em tempo real. Após finalizadas as sequências de edição dos vídeos, os conteúdos podem ser publicados imediatamente em mídias sociais, na Web ou na TV, e os projetos podem ser abertos e reaproveitados por outros usuários.

MediaFirst Video Processing uma solução da Ericsson para controlar todos os playout de vídeo que um produtor de conteúdos pode distribuir

MediaFirst Video Processing uma solução da Ericsson para controlar todos os playout de vídeo que um produtor de conteúdos pode distribuir

Pela sua parte, a ChyronHego apre-sentou o LyricX ao mercado na NAB 2016, uma versão totalmente nova da principal solução de grafismos e playout da empresa sediada em Nova York. O LyricX aproveita a arquitetura de 64 bits do Lyric PRO para oferecer mais desempenho na criação e na reprodução de vídeos.
“O nosso software pioneiro Lyric é hoje uma das principais soluções de grafismos e playout, com mais de 16 mil sistemas instalados em ambientes de transmissão de todos os continentes. O LyricX apresenta uma estrutura nova e robusta, com a qual podemos atender às crescentes exigências de desempenho dos nossos clientes.

SHK-810 Super High Vision da Ikegami em 8K. Com 33 milhões de pixels, sensor CMOS Super 35 mm, sistema óptico PL Mount e transição via fibra de até 40 Gig SMPTE

SHK-810 Super High Vision da Ikegami em 8K. Com 33 milhões de pixels, sensor CMOS Super 35 mm, sistema óptico PL Mount e transição via fibra de até 40 Gig SMPTE

Com a possibilidade de conduzir as capacidades de intensive-memory que estão começando a moldar as operações de transmissão do futuro, como o High Dynamic Range e o 4K, o LyricX dá aos nossos usuários mais potência e versatilidade do que nunca “, afirmou Johan Apel, presidente e CEO da ChyronHego.

Um componente central do LyricX é a nova superfície de controle que oferece teclas de LCD programáveis e que podem ser completamente trocadas conforme a necessidade do usuário. É possível configurar telas para programas específicos, como programas de notícias ou esportes.

Ross lança a sua primeira linha de câmeras na NAB 2016
Uma das surpresas da NAB Show 2016 foi a incursão da Ross Video no mundo das câmeras. Na edição deste ano, a empresa canadense lançou as câmeras ACID, que trabalham no padrão de output SMPTE 4:2:2 com sinais de vídeo flexíveis e adaptáveis a qualquer tipo de produção. Também oferecem a opção 0:4:4 full bandwidth color signal, que, combinada com a saída primária do novo sistema Carbonite Ultra-chromeHR, pode gerar sinal 4: 4: 4 e uma resolução full, ideais para o desenvolvimento de key edges de alta resolução.

Nova Canon 8K Imaging, o primeiro protótipo de câmera 8K da Canon, foi demonstrado na NAB 2016. Com um sensor 8K Super (8192x4320, 1.89:1)com gravação em 60fps, lentes EF Mount com Cinema Look e saída 8K em real-time com output para 4K HDR (13 stops) com PQ e Wide Color Gamut (BT 2020)

Nova Canon 8K Imaging, o primeiro protótipo de câmera 8K da Canon, foi demonstrado na NAB 2016. Com um sensor 8K Super (8192×4320, 1.89:1)com gravação em 60fps, lentes EF Mount com Cinema Look e saída 8K em real-time com output para 4K HDR (13 stops) com PQ e Wide Color Gamut (BT 2020)

As câmeras ACID trabalham, como em todos os produtos da marca, com os painéis DashBoard e oferecem controle remoto aos usuários. A operação da câmera, as configurações e as sombras podem ser manejadas via DashBoards.
“Estas novas câmeras oferecem a melhor composição de imagem a partir de conjuntos de chroma key, além de capturar imagens surpreendentes em qualquer ambiente”, afirmou à Revista da SET, Amaury P. Silva Filho, diretor Regional de Ross Video para Brasil.

Silva Filho fez a sua apresentação na NAB como novo executivo da empresa e afirmou que o principal objetivo da sua chegada é a de ter uma presença local mais forte e um contato mais direto com os clientes.

Além das novas ACID Cameras, a companhia introduziu o switcher Carbonite UltrachromeHR com novidades em processamento de chroma key e foco na virtualização. Esse switcher, baseado na plataforma de produção Carbonite Black, é um processador de chroma key multichannel, desenvolvido para os ambientes multi-câmera virtualizados com até quatro chroma keys de alta resolu-ção. Cada uma desses quatro chroma keys com controle total da gestão do delay, preenche temperatura de cor e oferece armazenamento interno de gráficos animados.

ed160_pag12_10

A lente FujiFilm 8K é a primeira do mercado a ser desenhada especialmente para câmeras 8k. A lente 12-36 mm com zoom 3X; T3.1/F2.8-F16 close; formato 24.576 x 13.824 MM; suporte PL mount e um peso de 10 KG foi lançada na NAB 2016Amaury disse à Revista da SET que o IP é uma realidade e considerou que a Ross Video está preparada para as mudanças que estão por vir. “O que nós podemos oferecer aos nossos clientes são soluções para a transição que coloquem a produção de mídia em um patamar mais elevado e de maior qualidade”.

4K e 8K
Em termos de câmeras e lentes, a NAB apresentou novidades voltadas ao 4K, já vislumbrando os Jogos Olímpicos 2020, em Tóquio, além das primeiras versões para comercialização de câmeras 8K e lentes para este tipo de equipamento de captação.
A Canon alcançou grande destaque com a demonstração do protótipo Canon 8K Imaging, a primeira câmera 8K da empresa que estará disponível nos próximos meses. O equipamento trabalha com um sensor 8K Super (8192×4320, 1.89:1) com gravação em 60fps, lentes EF Mount com Cinema Look e saída 8K em real time com output para 4K HDR (13 stops) com PQ e Wide Color Gamut (BT 2020).

A Fujifilm apresentou a versão beta da primeira lente do mercado a ser desenha especialmente para câmeras 8K. O dispositivo 12-36 mm com zoom 3X; T3.1/F2.8-F16 close; formato 24.576 x 13.824 MM; suporte PL mount tem um peso de 10 KG e poderá vir a ser utilizada pela emissora pública japonesa NHK (Japan Broadcasting Corporation) nos Jogos Olímpicos Rio 2016, afirmou à Revista da SET, Thom Calabro, VP de Marketing e produtos da Divisão de Óptica da FujiFilm.

Thom Calabro (FujiFilm)

Thom Calabro (FujiFilm)

Soluções para o mundo IP
A Harmonic e a Thomson se apresentaram pela primeira vez na NAB após a fusão gerada pela aquisição da marca francesa. Com a transação, a Harmonic passou a ser um dos maiores players do mercado, incluindo no seu portfólio uma série de codecs e decodificadores e toda a expertise da Thomson no mercado de codificação e transcodificação de sinais de áudio e vídeo.
A presença da Harmonic na feira mostrou que o IP e as suas soluções deixaram de ser uma tendência e já são uma realidade. O novo patamar é a virtualização dos conteúdos e fluxos de trabalho, que devem ser escaláveis e flexíveis. Pensando nisso, a empresa introduziu ao mercado uma nova solução de virtualização na nuvem que já não passa por “nuvens públicas, privadas ou híbridas, mas sim, por nuvens privadas administradas pelos próprios broadcasters”, afirmou o CEO da Harmonic, Patrick Harshman, à Revista da SET. ed160_pag12_11

Em Las Vegas, na edição 2015, o executivo já havia afirmado à reportagem da Revista da SET que “as aplicações de software são o futuro da indústria” e que “não há volta atrás (…) Estamos em um momento em que a indústria caminha para funções integradas de software com encoders que façam trabalhos integrados” para gerar “virtualização”. Ao que parece, a compra da Thomson encaminha-se nesse sentido, o de oferecer ao cliente um pacote completo de serviços que permitam a virtualização dos seus ecossistemas.

Sidnei F. Brito, CEO da SDB – Scopus do Brasil Ltda., distribuidor da Harmonic no Brasil, disse em reportagem à Revista da SET, no estande da
marca, que o “futuro passa pela virtualização”, mas o processo deve ser analisado com calma e não pode ser universalizado, pois, “é preciso ver caso a caso e tomar a decisão certa no tempo certo”.ed160_pag12_12

“A virtualização pode ser interessante para gerar redução de custo operacionais, com maior investimento Opex e menos Capex. Hoje, o mercado precisa trabalhar com soluções de software genéricos, onde possam ser estabelecidos novos modelos de negócios.Nós, integradores, precisamos alertar ao cliente sobre como reduzir custos. Temos claro que, no futuro, todo o mundo vai estar na nuvem, é inevitável, porque as fábricas vão deixar de produzir certos insumos de hardware e teremos que trabalhar de forma virtual”, afirma o executivo brasileiro.

ed160_pag12_13

8K Ride Experience, uma sala de cinema especialmente desenhada pela Canon com três telas em perspectiva, dando uma impressionante sensação de imersão e mudando a forma de assistir TV

Para Brito, esse novo modelo de negócio passa por “uma remodelação das estratégias e ecossistemas que integrem a nuvem como ‘provider’, uma nuvem que se tornará inevitável para os radiodifusores”.

Na NAB, a Harmonic lançou o VOS Cloud e o VOS 360 e ainda um novo sistema de video delivery, o Harmonic Media Grid 4000, que permite aos broadcasters trabalhar com workflows comprimidos e bibliotecas de vídeo online. A família de produtos MediaGrid oferece o dobro de performance dos produtos da linha MediaGrid 3000, 50% de aumento na capacidade de storage, e duas vezes mais Ethernet ports (10 Gb). O MediaGrid ContentServer 4000 eleva a taxa de transferência do Harmonic MediaGrid 4000, que ainda pode se expandir a 48 TB, 96 TB ou 144 TB com o MediaGrid 4240, equipado com drives 24 hot swapplable 2-TB, 4-TB ou 6-TB SAS.
A FOR-A apresentou um novo streamer Video-Over-IP na NAB 2016, o MXR-200IP, um device que oferece streaming de IP com múltiplos codecs para fluxos de trabalho baseados em arquivos e salvamento dos dados de entrada sem necessidade de recompressão.

Ricardo Milani (FOR-A) afirmou à reportagem da Revista da SET que o IP irá implantar-seaos poucos no Brasil e que o futuro passa por produções ao vivo e redes IP

Ricardo Milani (FOR-A) afirmou à reportagem da Revista da SET que o IP irá implantar-seaos poucos no Brasil e que o futuro passa por produções ao vivo e redes IP

A solução conta com dois canais de encoder/decoder e tem uma memória interna que possibilita armazenar arquivos MXF enquanto realiza a encodificação e a decodificação, permitindo, assim, uma edição não linear. O MXR-200IP suporta H.264 High 422 Intra a 100 Mbps, enquanto realiza autocorreção de qualquer perda de pacotes por meio de redundância FEC de acordo com o SMPTE ST 2022-1/2.
O dispositivo oferece três modos de operação. No modo IP Sending Mode, codifica sinais HD-SDI a um fluxo de bits de transporte para IP com dois canais de entrada SDI e 4 canais de saída de IP. No modo IP Receiving Mode, decodifica entradas IP encapsuladas para sinal HD-SDI com dois canais de entrada de IP e dois canais de saída de SDI. No modo IP Sending/Receiving Mode, o MXR – 200IP decodifica um canal de entrada de IP e saída HD-SDI, e codifica entrada HD-SDI para dois canais de saída de IP.
O multi-viewer MV-1200, da FOR-A, promete alta performance, compactação e versatilidade, com 16 inputs e 6 outputs em um frame 1U. A solução está disponível em dois modelos: 4-Input, 1-Output HDMI (como no MV-4200) ou 4-Input, 1-Output 3G/HD/SD-SDI (como no MV-1210).
Com a opção de adicionar até 16 entradas em cada modelo, por meio da instalação de placas opcionais, “o MV -1200 permite aos usuários criar um ambiente de edição 4K flexível e versátil. O multi-viewer inclui um gerenciador de layout para customização do usuário, indicador do nível de áudio para até 16 canais, saída de monitoração de áudio, error log display, e a opção de realizar streaming de vídeo a partir de uma unidade de Ethernet”, explica a FOR-A.

Sidnei Brito (SDB/Harmonic) afirma que, no futuro, todas as emissoras vão migrar à nuvem com ecossistemas virtualizados

Sidnei Brito (SDB/Harmonic) afirma que, no futuro, todas as emissoras vão migrar à nuvem com ecossistemas virtualizados

Telas de todos os tipos, qualidades e tamanhos

ed160_pag12_17

Dimas Oliveira, gerente de vendas da Leyard Brasil afirmou à Revista da SET que a empresa fornecerá três telões da Leyard TVH Series para o espaço da NBC Olympics no Centro de Transmissão Internacional da Olimpíada Rio 2016

Com a evolução das tecnologias 4K e 8K, tem aumentado consideravelmente as telas e os players que fabricam displays de todos os tamanhos e qualidades. Um exemplo é a Leyard, multinacional da China que possui uma fábrica em Curitiba. Na NAB, a companhia apresentou a sua nova série de displays, além dos principais desenvolvimentos realizados após a compra da empresa norte-americana Planar, em 2015, e toda a sua expertise em displays de LCD, “assumindo de vez a liderança do segmento”, afirmou à reportagem da Revista da SET, Dimas Oliveira, gerente de vendas da Leyard Brasil.
Oliveira afirmou que, desde 2014, a Leyard alavanca os negócios no mercado brasileiro e nos mercados da América Latina em geral. “Para estruturar a operação comercial na região, instalamos a subsidiária e iniciamos o fornecimento de pai-néis para aplicação indoor e outdoor, com criativas soluções em LED para esportes, publicidade, shows, shopping centers, estádios, exibições, entre outros nichos de atuação. Além do fornecimento dos produtos da marca, a Leyard Brasil investe numa linha de montagem. Desde o início da operação, o volume de vendas na América Latina cresceu 111% (de 2014 e 2015) e se estima um crescimento de 175% (de 2015 a 2016)”. O executivo afirmou que a marca também atende à demanda internacional com filiais na Europa, Estados Unidos, Japão e Singapura. “Há 20 anos fornecendo para o mercado global, a Leyard conta com mais de 10 mil m2 de linha de produção na cidade chinesa de Shenzhen, além de centros de pesquisa e desenvolvimento em Shenzhen e Pequim”.

A Imagine aposta no 4K e por isso realizou uma série de palestras no seu stand com convidados de altíssimo nível. Uma destas foi o painel “O Impacto da IP e o 4K nas produções esportivas” que contou com a presença Steve Reynolds, CTO da Imagine Communications; Geirge Hoover, CTO do Grupo NEP; James Stellplug, VP de Marketing de Produto da EVS

A Imagine aposta no 4K e por isso realizou uma série de palestras no seu stand com convidados de altíssimo nível.
Uma destas foi o painel “O Impacto da IP e o 4K nas produções esportivas” que contou com a presença Steve Reynolds,
CTO da Imagine Communications; Geirge Hoover, CTO do Grupo NEP; James Stellplug, VP de Marketing de Produto da EVS

Fernando Carlos Moura é professor do curso de Jornalismo da Escola de Comunicação e Educação da Universidade Anhembi Morumbi (UAM)
Edição em São Paulo, Gabriel Cortez